quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Os julgamentos mais absurdos da história

Conheça os processos judiciais mais absurdos do mundo movido por pessoas comuns contra grandes empresas.

Vi no Meu Sim.

POLÍCIA X EMPRESA TASER

2002 Madera (Estados Unidos) Vitória do réu

Para conter um suspeito nervosinho em sua viatura, a policial Marcy Noriega quis usar uma arma paralisante que inibe os movimentos com choques elétricos. Só que a infeliz se enganou, pegou sua arma de verdade e mandou bala no rapaz, que morreu na hora. A polícia da cidade pôs a culpa na empresa Taser, fabricante da pistola paralisante. Segundo os tiras, a arma de mentira parece muito com uma de verdade e “confunde” os policiais.

A Justiça inocentou a empresa. A arma paralisante pesa a metade de uma arma de verdade, tem um cano duas vezes maior e listras adesivas amarelas pra não ser confundida!

TRIBUNE X MARK GUTHRIE

2003 Middletown, Connecticut (Estados Unidos) Em andamento

Dona do jornal Hartford Courant e do time de beisebol Chicago Cubs, a companhia Tribune fez uma lambança na hora de pagar os salários de outubro de 2003: depositou 300 mil dólares na conta do humilde carregador de jornal Mark Guthrie – a bolada, na verdade, era pra um jogador do Cubs que tem o mesmo nome, Mark Guthrie.

A empresa tomou de volta 90% da grana cancelando parte do depósito. O entregador disse que devolveria o resto, mas a empresa não quis esperar e preferiu pôr o cara no pau.

MARY UBAUDI X MAZDA

2003 Madison County (Estados Unidos) Em andamento

Após sofrer um acidente com seu Mazda Miata, a americana Mary Ubaudi processou a fabricante do carro, alegando que a empresa não deu instruções sobre o uso apropriado do cinto de segurança – durante a batida, Mary foi jogada para fora do automóvel por não usar o equipamento corretamente.

Mary pediu 150 mil dólares de indenização da Mazda. Mas a mulher também tá processando o motorista que dirigia o veículo e a empresa que fazia obras na estrada em que ela se acidentou. No total, ela quer arrancar 250 mil dessa galera.

JACK ASS X MTV

2002 Hot Springs (Estados Unidos) Em andamento

Um americano está processando a MTV por dar seu nome a um programa idiota – Jackass (”ignorante”). Como assim? Bom, na verdade o nome original do cara era Bob Craft. Mas em 1997 ele ganhou o direito de trocar de nome para Jack Ass para promover uma campanha de segurança no trânsito. Em 2000, o programa Jackass estreou com um monte de brincadeiras escatológicas que magoaram o rapaz.

Para Bob, a MTV não só plagiou o seu nome como denegriu sua imagem. Por isso, ele exige uma indenização de 50 milhões de dólares da emissora.

PHILIP SHAFER X DELTA AIRLINES

2002 Ashland (Estados Unidos) Em andamento

O advogado Philip Shafer está processando a Delta Airlines por ter lhe vendido um assento no avião ao lado de um homem gordo. Durante as duas horas do vôo entre New Orleans e Cincinnati, ele se sentiu “casado” com o “rolha de poço”, porque os dois ficaram unidos do joelho ao ombro.

Ele alega que a Delta não lhe deu conforto, deixando-o “angustiado”. Seu pedido: 9 500 dólares.

Nenhum comentário: